Com população de 141.398 habitantes, Atibaia é um município do estado de São Paulo que utiliza o Sistema de Gestão da Rede Pública Municipal de Educação há mais de 15 anos. Quem nos conta mais detalhes sobre a importância do registro e controle de dados educacionais é a Diretora do Departamento de Manutenção, Infraestrutura Escolar e Tecnologia – Silvia Campos.

Segundo dados do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 2015, os alunos dos anos inicias da rede pública da cidade tiveram nota média de 7 no IDEB. Para os alunos dos anos finais, essa nota foi de 5.2. Na comparação com cidades do mesmo estado, a nota dos alunos dos anos iniciais colocava esta cidade na posição 42 de 645. Considerando a nota dos alunos dos anos finais, a posição passava a 123 de 645. A taxa de escolarização (para pessoas de 6 a 14 anos) foi de 97.3 em 2010. Isso posicionava o município na posição 482 de 645 dentre as cidades do estado e na posição 3221 de 5570 dentre as cidades do Brasil.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, atualmente há cerca de 15 mil alunos matriculados na rede e Atibaia contabiliza 15 Creches Comunitárias, 14 Creches Municipais, 10 Escolas Municipais de Educação Infantil e 27 Escolas Municipais de Ensino Fundamental.

Melhorias e benefícios com a utilização do sistema Vivver desde 2017

Para Silvia Campos, as mudanças positivas já percebidas com a iniciação do processo de (re) implantação do sistema Vivver no município são: 
– Implementação de novas funcionalidades e utilização do sistema de uma maneira mais eficiente;
– Criação de novas funcionalidades baseadas nas características de nosso município, que é extremamente importante para que possamos avançar cada vez mais no desenvolvimento pleno do sistema, gerando informações e conhecimento aos gestores.

Segundo a Diretora do Departamento de Manutenção, Infraestrutura Escolar e Tecnologia, indiretamente a própria transparência promovida pela utilização do sistema traz um benefício muito grande.

“Os dados educacionais podem ser disponibilizados para várias escolas e departamentos do município, de forma que todos possam utilizar essas informações da melhor maneira possível. Um dos últimos módulos desenvolvidos refere-se ao ‘Concurso de Remoção de Professores’, que antes ocorria de maneira manual. Com a utilização do sistema, este concurso se tornou extremamente transparente e possibilitou inclusive melhorar todo o processo, de forma que os professores sejam atendidos com mais qualidade”, ressalta.

Gestão da Educação Pública

A respeito dos maiores desafios para realizar a gestão da Educação do município, Silvia Campos conta que são as limitações relacionados à infraestrutura, conectividade e treinamento de pessoal.

“A utilização de um sistema de gestão é um grande avanço e traz inúmeros benefícios para o município, mas também exige que sejam providenciadas as condições necessárias para utilização desse sistema. Encontramos muitos desafios no gerenciamento de cada vez mais usuários (diretores, secretários, professores e etc.), tanto no funcionamento da infraestrutura, quanto na capacitação desses usuários para utilização do sistema. Outro problema em nosso município ainda é a ausência de conectividade em todas as escolas”, diz.

Ela ressalta que: “a utilização de um sistema provê informações em tempo real sobre a situação dos alunos no município. É possível tomar decisões rápidas e baseadas em informações consistentes. Traz economia de recursos, visto que podemos adquirir itens numa quantidade ideal para determinada modalidade de ensino, eliminando ter que adquirir se baseando numa margem de erro muito grande. Em eventos ou excursões, temos condições de planejar o transporte de alunos e a rota dos veículos conhecendo exatamente a quantidade de alunos que deverão ser transportados em cada escola, fazendo com que a quantidade de veículos seja otimizada. Também é possível verificar com antecedência a demanda de vagas em determinadas regiões do município, organizando melhor a disposição das salas de aula para atender todos os alunos com qualidade, dentre outros benefícios.”

Ampliação da utilização do sistema

A aquisição e manutenção da rede e infraestrutura sempre é um desafio. Com a ampliação da utilização do sistema, aumentou também a demanda por novas máquinas e, principalmente, pela instalação de redes de internet em todas as escolas municipais.

Silvia Campos diz: “em nosso município ainda temos problema quanto à velocidade e ao próprio oferecimento de internet em alguns bairros, e isso dificulta a utilização do sistema nas escolas localizadas nessas regiões, mas de uma maneira geral, a grande maioria das unidades escolares municipais já possuem equipamentos e condições suficientes.”

A respeito dos desafios na fase de implantação do sistema Vivver, ela nos conta que são, principalmente, as questões relacionadas à infraestrutura e à capacitação do pessoal. Com as recentes implementações, como módulo de gestão de avaliações/frequência escolar, processo de remoção e etc., passamos a ter um número muito maior de usuários.

Há pouco mais de 2 anos, se tínhamos 50 ou 60 escolas, possuíamos também o mesmo número de usuários, que eram os secretários/diretores dessas escolas, que utilizavam o sistema para gerenciar a matrícula dos alunos.

Com a utilização do sistema Vivver para lançamento da frequência escolar, notas e também para o processo de remoção, todos os professores também passaram a ser usuários do sistema. Aumentando o número de usuários para cerca de 800 pessoas. Isso gera uma quantidade infinitamente superior de processos e, consequentemente de problemas.

A manutenção de todo sistema de gestão é constante e ainda será preciso promover diversas melhorias para atender novas demandas à medida que elas passam a ser prioritárias. Quanto ao trabalho da equipe, de uma maneira geral, todos absorvem com entusiasmo as possibilidades disponibilizadas pela utilização do sistema. 

2016

2017

2018

O sistema finalizou o ano de 2016 com 14312 alunos matriculados, em 606 classes, sendo utilizado por 62 unidades escolares da rede municipal de ensino.

Administrado pela Vivver o sistema finalizou o ano de 2017 com 14709 alunos matriculados, em 629 classes, sendo utilizado por 62 unidades escolares da rede municipal de ensino.

O sistema finalizou o ano de 2018 com 14932 alunos matriculados, em 634 classes, sendo utilizado por 63 unidades escolares da rede municipal de ensino.


Conheça a história de Atibaia

Por Atibaia passaram os antigos bandeirantes no século XVII, que desbravaram as terras em busca de índios e minerais preciosos. A cidade fica numa região de serras. Assim, os bandeirantes do século XVII têm ligação direta na fundação do município de Atibaia, pois atuavam como desbravadores explorando novas terras em busca de minerais preciosos e índios.

A maioria das expedições partia de São Paulo e a rota mais procurada era a que levava aos tesouros de Minas Gerais. Na época, as viagens eram longas, árduas e cansativas e era preciso fazer inúmeras paradas para descanso e abastecimento. A primeira delas, ainda na região de São Paulo, era feita onde atualmente situa-se Atibaia, pois os bandeirantes tinham grande interesse na colina banhada por um rio.

Profundo conhecedor da região, o bandeirante Jerônimo de Camargo fundou uma fazenda de gado e, no alto da colina, construiu uma capela sob proteção de São João Batista, no dia 24 de junho de 1665 – atualmente a data é feriado municipal em comemoração ao aniversário da cidade.

Neste mesmo período, o padre Mateus Nunes de Siqueira chegou do sertão com um grupo de índios guarus catequizados e, por ordem da Câmara Municipal de São Paulo, instalou-os ao lado do sítio de São João Batista. O pequeno núcleo confirmou-se, então, como parada obrigatória para quem seguia em direção a Minas Gerais e o povoado começou a desenvolver-se lentamente.

Mas foi a partir de 1864 que o povoado recebeu o título de município e, em 1905, o município de São João de Atibaia passou a denominar-se apenas Atibaia. A partir da Proclamação da República, Atibaia iniciou uma fase de grande desenvolvimento com uma série de melhoramentos locais.

Os tupinólogos têm procurado definir o verdadeiro significado da palavra Atibaia e suas variáveis, tais como Tybaia, Thibaya, Atubaia, etc. Alguns especialistas afirmam que a origem tem diversos significados, tais como rio da feitoria, rio alagado, morro dependurado, água saudável, trançada, revolta ou confusa.

Segundo as palavras de João Batista Conti, “Atibaia possui o rio que corre nas várzeas, o rio alagadiço, a água trançada revolta e confusa, mas, sobretudo, possui a água agradável ao paladar, cujas propriedades medicinais têm sido decantadas por ilustres médicos, cientistas e por todos aqueles que a têm procurado como verdadeira fonte de saúde”.

Fonte: Prefeitura Municipal de Atibaia/SP

Share This