Contagem é um município brasileiro do estado de Minas Gerais na Região Metropolitana de Belo Horizonte. É o município com a terceira maior população do estado, com 658.580 habitantes segundo estimativa do IBGE em 2017.

Em 1716, o Brasil era colônia de Portugal. A coroa portuguesa instalava postos de registros em várias cidades brasileiras para fiscalização e arrecadação de impostos. Um posto de registro foi instalado na região das Abóboras. Em torno dela, surgiu o povoado. Arraial de São Gonçalo da Contagem das Abóboras.

O nome Contagem faz referência à contagem das cabeças de gado, de escravos e mercadorias que eram taxadas no posto de fiscalização.

A economia do município é baseada, levando-se em conta os dados de 2012, principalmente no comércio (30,65%) e na indústria (25,71%). Quanto ao número total de empregados por atividade, a primeira tem

Em diversificada pauta de exportação se destacaram em 2012 os veículos de grande porte para construção (14,42%), carbonato de magnésio (14,30%), tijolos refratários (9,26%), fio de ferro (6,77%) e transformadores elétricos (5,09%). Quanto a evolução histórica, a cidade praticamente triplicou o montante exportado de 2000 para 2012, passando de 150 milhões de dólares para quase 450 milhões de dólares.

SAÚDE PÚBLICA

A Secretaria Municipal de Saúde tem por finalidade coordenar os programas, projetos e atividades voltados para a promoção do atendimento integral à saúde da população do Município, na condição de gestora municipal do Sistema Único de Saúde – SUS.

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CONTAGEM/MG – IMPORTANTE INSTRUMENTO PARA A GESTÃO

A política de saúde é prioridade em Contagem. Do orçamento previsto para 2017, de acordo com o SIOPS/Datasus/MS, o município destinou quase 30% de recursos próprios para a área, um montante superior a R$ 295 milhões. A gestão democrática de todo esse dinheiro deve considerar critérios como a observância da legislação vigente, a aplicação do plano de governo vencedor nas urnas e as necessidades apontadas pelo controle social.

Não por acaso, a definição e a implementação das iniciativas de saúde de cada esfera da gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) requerem um grande planejamento: mesmo diante de cifras vultosas, os recursos financeiros necessários para a manutenção e expansão dos serviços de saúde são escassos. Além disso, a conjuntura atual é complexa e exige gestão e enfrentamento político, considerando um cenário em que o município de Contagem, por exemplo, ainda tem a receber cerca de R$ 65 milhões em dívidas do governo do estado de Minas Gerais.

Para que a gestão possa dar conta de tamanha responsabilidade, foi elaborado o Plano Municipal de Saúde (PMS) quadriênio 2018/2021, construído ao longo do ano passado, de forma democrática e participativa, por meio das pré-conferências de saúde que ocorreram em cada um dos oito distritos sanitários da cidade. Em cada pré-conferência foram escolhidas 25 propostas elaboradas em grupos de trabalho, totalizando 200 propostas que foram, então, debatidas e aprovadas na Conferência Municipal de Saúde, ocorrida em 7 de outubro. Das 200 ideias apresentadas na Conferência, 20 foram selecionadas pelos delegados como prioritárias para integrar o referido plano.

De acordo com a legislação que rege a saúde, como a Lei Complementar nº 141/2012, normas do Ministério da Saúde e resoluções do Conselho Nacional de Saúde, o Plano Municipal de Saúde, após elaborado, deve ser apreciado e aprovado pelo Conselho Municipal de Saúde, passando então a vigorar oficialmente. “Já cumprimos estas etapas e temos a previsão de que o Plano Municipal de Saúde esteja disponibilizado no portal da Prefeitura de Contagem ainda no mês de março”, explica o assessor de Planejamento da Secretaria Municipal de Saúde, Newton Sérgio Lopes Lemos.

Newton Lemos ressalta o caráter democrático do plano. “Um instrumento central de planejamento construído de forma participativa entre a gestão e o controle social, tomando como referencial as deliberações aprovadas para inclusão na última Conferência de Saúde, as macro-políticas e pactos federais e estaduais na saúde e as prioridades para a saúde na atual gestão municipal”, disse.

O secretário de Saúde, Bruno Diniz, também ressalta a legitimidade do plano e da complexidade da gestão da saúde pública. “Nosso plano foi construído a muitas mãos. Esta representatividade de vários segmentos confere legitimidade ao documento. Vivemos em uma conjuntura atual complexa, onde os recursos financeiros para a manutenção e expansão dos serviços de saúde são escassos. Frente a este cenário, precisamos priorizar intervenções e otimizar todos os processos assistenciais, a fim de que obtenhamos resultados positivos para melhorar a saúde e a qualidade de vida dos nossos munícipes”, finaliza o secretário.

UNIDADES DE ATENDIMENTO

  • Centro de consultas especializadas Iria Diniz
  • Exames laboratoriais
  • Farmácias Distritais
  • Hospital Municipal
  • Maternidade Municipal
  • Pronto Socorro Geraldo Pinto Vieira
  • SAMU
  • Saúde do Trabalhador
  • Serviços Odontológicos
  • Unidade Básica Saúde – Industrial
  • Unidade Básica Saúde – Petrolândia
  • Unidade Básica Saúde – Ressaca
  • Unidade Básica Saúde – Sede
  • Unidade Básica Saúde – Vargem das Flores
  • Unidade de Consultas Especializadas Ressaca
  • Unidades Básicas de Saúde – Eldorado
  • Unidades Básicas de Saúde – Nacional
  • Unidades de Saúde Mental
  • UPA Nova Contagem – Unidade de Pronto Atendimento
  • UPA Petrolândia – Unidade de Pronto Atendimento
  • UPA Ressaca – Unidade de Pronto Atendimento


IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA VIVVER SAÚDE PÚBLICA
 

Fonte: Portal Prefeitura Municipal de Contagem/MG

Share This