Os profissionais de saúde da Atenção Primária devem preencher apenas um sistema com os dados de aplicação de vacinas e de outros imunobiológicos.

Mesmo com a situação de emergência pública devido ao coronavírus, os profissionais de saúde da APS devem estar atentos ao processo de migração dos registros de dados de aplicação de vacina e outros imunobiológicos do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SIPNI) para a Estratégia e-SUS APS. O prazo até 31 de julho de 2020 para transição foi estabelecido pela Portaria nº 1.645, de 26 de junho de 2020.

Os profissionais de saúde da Atenção Primária deverão registrar as informações de imunização exclusivamente nos softwares disponibilizados pelo Ministério da Saúde (Prontuário Eletrônico do Cidadão – PEC ou Coleta de Dados Simplificada – CDS, ambos da estratégia e-SUS APS) ou nos sistemas próprios ou de terceiros devidamente integrados ao Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (Sisab). Os demais registros, como  dados referentes à movimentação de imunobiológicos nas salas de vacinas, eventos adversos pós-vacinação e monitoramento rápido de coberturas vacinais, permanecerão no SIPNI.

O SIPNI está integrado ao e-SUS APS. A Portaria nº 2.499, de 23 de setembro de 2019, altera a forma de registro de dados de aplicação de vacinas, imunoglobulinas e soros pelas unidades de atenção primária à saúde para apenas um sistema, o e-SUS APS. A integração dos sistemas de informação proporcionará melhoria nos registros de imunização e também no acompanhamento por parte das equipes de saúde do histórico de vacinação dos cidadãos.a

BENEFÍCIOS DE USAR PRONTUÁRIO ELETRÔNICO

Uma das vantagens para os profissionais de saúde do uso de sistema de prontuário eletrônico é a organização do dados dos cidadãos em um mesmo lugar, facilitando a busca por informações importantes. Além disso, a ferramenta tem um padrão definido para o registro das condições avaliadas, o que facilita o preenchimento. Além disso, todas as letras são legíveis, o que acaba diminuindo o tempo de cada consulta.

Para a gestão, o acesso aos dados consolidados ou individualizados produzidos pelas equipes oportuniza a adequação da políticas de saúde e o acompanhamento dos processos de trabalho das equipes do município. Para os cidadãos, o prontuário eletrônico também pode ser usado como ferramenta de segurança, porque permite um bom registro clínico e melhora o compartilhamento dos dados entre profissionais. Dessa forma, facilita a revisão e discussão de condutas clínicas pela equipe de saúde.

Fonte: Secretaria de Atenção Primária à Saúde

Share This